sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Manifesto em Apoio a Dom Cappio contra a transposição (escrito por Leonardo Boff)

MANIFESTO em APOIO A DOM CAPPIO CONTRA A TRANSPOSIÇÃO:

“Não ao atual projeto de transposição do rio São Francisco. Pela vida de D. Luiz Cappio, pela vida do rio São Francisco”

Nós abaixo-assinados viemos a público repudiar o atual projeto do governo federal da transposição do Rio São Francisco. Esse projeto é faraônico, não é democrático, porque não democratiza o acesso à água para as pessoas que passam sede na região semi-árida, distante ou perto do rio São Francisco.

O governo alega que vai levar água para 12 milhões de sedentos. O projeto, na verdade, pretende usar dinheiro público para favorecer empreiteiras, o agronegócio, privatizar e concentrar nas mãos dos poucos de sempre as águas do Nordeste, dos grandes açudes, somadas às do rio São Francisco.

A transposição tem muito pouco a ver com a seca. Tanto que os canais do eixo norte, por onde correriam 71% dos volumes transpostos, passariam longe dos sertões menos chuvosos e das áreas de mais elevado risco hídrico. E 87% dessas águas seriam para atividades econômicas altamente consumidoras de água, como a fruticultura irrigada, a criação de camarão e a siderurgia, voltadas para a exportação e com seríssimos impactos ambientais e sociais. Todas estas implicações não foram transparentemente discutidas com as populações envolvidas como os ribeirinhos, os pescadores, os indígenas, os quilombolas e a comunidade científica.

O atual projeto não toma em conta alternativas mais baratas, mais viáveis e mais eficazes para um número maior de pessoas. O projeto oficial custaria mais de 6 bilhões de reais, atenderia apenas a quatro Estados (Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará) beneficiando 12 milhões de pessoas de 391 municípios. Um projeto alternativo elaborado pela Agência Nacional das Águas (ANA) e o Atlas do Nordeste custaria pouco mais de 3 bilhões de reais, atingindo nove estados (Bahia, Sergipe, Piauí, Alagoas, Pernambuco, Rio do Norte, Paraíba, Ceará e Norte de Minas), beneficiando 34 milhões de pessoas de 1356 municípios. Cabe ainda lembrar a Articulação do Semi-Árido (ASA) que se propõe construir um milhão de cisternas, tenho já construído 220 mil que atenderia as áreas mais áridas e isoladas da região.

O projeto de transposição vem sendo conduzido de forma arbitrária e autoritária: os estudos de impacto são incompletos, o processo de licenciamento ambiental foi viciado, áreas indígenas e quilombolas são afetadas e o Congresso Nacional não foi consultado como prevê a Constituição.

Há 14 ações que comprovam ilegalidades e irregularidades ainda não julgadas pelo Supremo Tribunal Federal. Mas o governo colocou o Exército para as obras iniciais, abusando do papel das Forças Armadas, militarizando a região. A decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, de Brasília, de dez de dezembro deste ano, obrigando a suspensão das obras, comprova o caráter problemático do projeto governamental.

São tais fatos que sustentam o jejum e as orações do bispo de Barra (BA), dom Luiz Cappio, pessoa humilde, aberta ao diálogo e amigo dos pobres que há mais de 30 anos convive com os problemas do Vale do São Francisco. Ele está oferecendo sua vida para que o povo e o rio tenham mais vida. Apoiamos seu gesto profético, digno dos discípulos de Jesus.

A alternativa do Presidente Lula é falsa: entre os pobres e o bispo fico do lado dos pobres. A verdadeira alternativa é: entre os pobres e o hidronegócio nós ficamos do lado dos pobres.

1) Leonardo Boff
2) Frei Gilvander Moreira – CPT, Belo Horizonte/MG
3) Frei Cláudio van Balen – Igreja do Carmo, Belo Horizonte/MG
4) Henrique Cortez, ambientalista
5) Tita Barreto - Fórum em Defesa do Rio São Francisco Sergipe
6) ......

Recomendamos que mensagens de solidariedade ao Bispo, podem ser enviadas para Clarice Maia, assessora de imprensa do jejum que está no local

claricemaia@institutopalmas.org.br .
Adesões ao Manifesto de Leonardo Boff devem ser enviadas para Roberto Malvezzi robertomalvezzi@oi.com.br

Finalmente, propomos que em todas igrejas que seja possível se faça Jejuns solidários, amanhã, sexta-feira, dia 14/12, das 12 às 24 horas do dia 14/12 e comuniquem a Clarice pelo e-mail dartora@gmail.com quantas pessoas jejuaram. Se possível enviar a lista de nomes de quem está jejuando. Estão se multiplicando pelo Brasil e pelo mundo afora jejuns solidários à causa de Dom Cappio. Organize também aí na sua comunidade, na sua cidade. A luz e a força divina presente em nós, na oração e na corrente de luta em prol do Rio São Francisco vai fazer o Governo Lula voltar atrás e arquivar o insano e faraônico Projeto da Transposição. Assim salvaremos a vida de Dom Cappio, do rio e do povo. Não fique de fora desta luta, pois o que Marta, em prantos pela morte do irmão Lázaro, disse para Jesus pode valer para nós: “Se você tivesse chegado antes, teu irmão não teria morrido”. (Jo 11,21).

2 comentários:

Pedro César disse...

SOLIDARIEDADE E LUTA

Transformar a própria vida em uma trincheira na defesa dos interesses dos pobres simboliza o compromisso, a solidariedade e a verdadeira entrega na defesa dos que mais necessitam.

A atitude de D. Cappio mostra a indignação diante da injustiça praticada pelo governo a serviço dos poderosos, grandes proprietários rurais, usando em vão o nome dos necessitados. Pratica (re)conhecida na região e em nosso país.

Dom Cappio ousa defender a vida do rio por crêr que a sua vida pode ser semente de sonhos e esperanças na resistência e defesa da vida, não somente para o rio, mas para todos os necessitados de pão, teto, água e trabalho.

Dom Cappio ousa com seu ato animar a esperança e o compromisso dos que não se calam diante das injustiças e os atos praticados contra os que necessitam de uma vida melhor.

A vida de Dom Cappio é a vida do Rio São Francisco que alimenta a terra para dar o alimento ao povo da região. A vida de Dom Cappio está alimentanto a resistência em defesa da vida.

Os que tentam acusá-lo de intransigente serão os responsáveis pela corrente que se fortalece em defesa da luta em solidariedade ao povo do sertão e a luta que Dom Cappio simboliza. Uma luta de todos aqueles que ainda se indignam com as injustiças existentes.

Dom Cappio ousa entregar sua vida na defesa da vida, com dignidade, aos que mais necessitam.

Vida longa a Dom Cappio.

Vida longa ao Rio São Francisco.

Pedro César Batista

alvimrg disse...

A pergunta que faço desde que este Senhor assumiu o Poder é: Onde está o social de verdade? pois o que vemos até agora é o assistencialismo, a corrupção e imposição legal que diga de passagem é pouco demogrática.
Quando fui a Alagoas, uma senhora me disse que enquanto o Governo Federal está preocupado em levar água a mais de mil quilômetros caatinga adentro, sua sogra, a 5 quilômetros do mesmo rio, sofre penosamente todos os anos pela falta de água.
Dom Cappio. Não quero desestimulá-lo e sim o contrário que continue nessa luta, pois me parece que a sociedade política brasileira só vai despertar para os problemas depois muitos inocentes morrerem.
Ronaldo Gomes Alvim